mapa |  contactos |  envie a um amigo |  Normal TextMedium TextLarge Text
Home » approfodimentos » detalhe
Pressão arterial e temperaturas altas
A hipertensão arterial está entre uma das doenças mais difundidas nos países industrializados.

A hipertensão arterial está entre  uma das doenças mais difundidas nos países industrializados. Calcula-se que em Itália cerca de 12 milhões de pessoas sofram deste problema mas destes sómente foram diagnosticados  70%  que seguem uma terapia.

Indicativamente, temos a "pressão arterial alta" ou sofremos de  hipertensão arterial quando os valores da nossa pressão "sistólica” (ou “máxima” que corresponde ao momento em que o coração se contrai e bombeia o sangue nos vasos) são iguais ou superiores a 140 mmHg e os da pressão chamada "diastólica" (ou mínima, que corresponde ao momento em que o coração se dilata para se encher) são iguais ou superiores a 90 mmHg.
Estes são os valores gerais (medidos pelo médico  ou pelo farmacêutico) que naturalmente devem se referir  à situação de cada pessoa e avaliados em concomitância com outros elementos . Realmente, existem factores de risco, como a idade avançada,  diabetes ou obesidade, ou comportamentos de risco, como o fumo ou o consumo de álcool, que podem modificar os mecanismos de regulação da pressão arterial favorecendo o aumento da mesma.
Os factores externos também podem influir na pressão arterial determinando frequentemente uma diminuição, como por exemplo,  as ondas de calor geralmente acompanhadas com condições de poluição atmosférica, como acontece no verão nas grandes cidades.  Por esse propósito pode ser útil visitar o site do Ministéro da Saúde, que assinala as iniciativas para enfrentar o verão com inteligência e evitar riscos para a saúde e em  especial demonstra que as Pessoas que tomam regularmente alguns tipos de medicamentos para a hipertensão arterial ou para as doenças cardiovasculares são a risco de distúrbios causados pelo calor. Portanto a estas pessoas sugere-se medir a pressão arterial e consultar o próprio médico de família, para adequar eventualmente a terapia, na presença de qualquer mal-estar mesmo leve.
(link a  http://www.salute.gov.it/dettaglio/phPrimoPianoNew.jsp?id=321)
Um outro bom hábito, que deve ser feito por meio de uma mudança de mentalidade que coloca a prevenção e o cuidado  da própria saúde como hábitos diários e não por razões de um mal-estar, é a de controlar a pressão periódicamente de maneira autonóma, graças a um medidor de pressão arterial.
A pesquisa levou ao atingimento de uma precisão cuidada destes aparelhos, certificada pela presença do selo de garantia que atesta a Validação Clínica ESH (Sociedade Europeia da Hipertensão) e pela possibilidade de verificar a calibração nas farmácias que efectuam este serviço.  Acrecenta-se um elevado nível de personalização, que vai – por exemlo – de uma utilização extremamente simplificada projectada para pessoas idosas, a um ecrã extra largo para quem tem  problemas de visão (os idosos mas também os diabéticos), a modelos de pulso projectados para as pessoas obesas , etc. até às funções mais sofisticadas, como os avisos de excedência do valor limite ou – quando o aparelho é provido de memória – a possibilidade de fazer comunicar o medidor com o próprio computador e eventualmente enviar através de correio electrónico as medições para o próprio médico de família.
 

eventos e feiras
ESH Congress: 22rd European Meeting on Hypertension and Cardiovascular Protection - London, England
ESC Congress 2012 - Munich, Germany
Medica 2012 Fiera Internazionale della Medicina e della Tecnica Ospedaliera - Düsseldorf, Germania